sábado, 21 de novembro de 2015

RESENHA - Psicose, de Robert Bloch (COM SPOILER)

Autor: Robert Block
Editora: Darkside Books
Páginas: 240
Ano: 2013

Que Psicose é um clássico, não há sombra de dúvidas. Publicado em 1959, o livro de Robert Bloch ganhou as telas de cinema em 1960 pelas mãos de, ninguém menos que, Alfred Hitchcock, mais conhecido como o pai do terror.
Inspirado em uma história real, Psicose retrata, através do protagonista Norman Bates, o caso do assassino de Wisconsin, Ed Gein, que tinha todos os trejeitos psicopatas de Norman.
Sem mais delongas, vamos nos ater ao conteúdo do livro. A história começa com Mary Crane seguindo para a cidade de Sam Loomis, seu noivo, com 40 mil dólares roubados da imobiliária em que trabalhava. Prometendo-lhe casamento somente após quitar as dívidas do pai já falecido, Sam ainda tem alguns anos pela frente para cumprir o prometido à Mary. Todavia, objetivando quitar a dívida do noivo e casar-se, finalmente, com ele, Mary enxerga a oportunidade de mudar seu destino quando o pacote com a quantia, já mencionada, lhe é confiado. Ela só não contava que o destino já havia traçado outros planos para ela. E tal plano tinha nome e endereço certo, Norman Bates.
Norman, transvestido de mother Bates, assassina Mary, arrancando-lhe a cabeça. E, após uma semana volta a atacar, mas desta vez sua vítima é o detetive Arbogast, que vai ao Hotel Bates atrás de Mary Crane e da quantia roubada por esta.
O desfecho, para que não viu o filme, é um tanto estarrecedor, uma vez que o leitor realmente é induzido a acreditar que tem alguém na janela do quarto (e realmente tem), cuja vista é de frente para o hotel. A narrativa de Mr. Bloch nos conduz com maestria à Norma Bates, a mamãe que tudo sabe e tudo vê, a quem reputamos ser a autora dos assassinatos até o último momento. Porém, Norma está mortinha da Silva, verdade esta somente revelada no final, quando ficamos sabendo que a sombra à janela se trata do esqueleto de Norma, já que seu corpo foi devidamente exumado e arrumado estrategicamente naquela posição pelo filho (doidinho, doidinho).
Próximo ao fim, quando o enlace começa a ser traçado e a mente doentia e assassina de Norman desvendada, o frio na espinha é cortante. Imaginar como a mente de um assassino em série se comporta, sem a menor ciência dos que estão ao redor, é chocante e aterrorizante, pois nos faz olhar para os lados e pensar: “Eu poderia topar com um assassino a qualquer instante e não ter a menor consciência disso”.

Conclui-se que, esta foi uma ótima leitura. E por mais que o filme seja muito fiel ao livro, deixa muito a desejar diante da obra-prima que é... Psicose.





domingo, 8 de novembro de 2015

Resenha Dom Casmurro

Autor: Machado de Assis
Editora: Globo Editora
Páginas: 256
Ano: 1899

** CONTÉM SPOILER **

O livro começa com Bento Santiago já com certa idade relembrando sua existência até aquele ponto de sua vida.
Ele nos conta como adquiriu o vulgo Dom Casmurro, como foi sua infância feliz ao lado de Capitu, sua paixão de criança, como foi parar em um seminário após uma promessa feita por sua mãe antes de seu nascimento, que desejava ver o filho tornar-se padre e, ao perceber que os laços de Bentinho com Capitu se estreitavam, correu para realizar seu intento, como tentou fugir de sua obrigação sem êxito e, finalmente, seu beijo e sua promessa de se casar com Capitu quando retornasse.
No seminário, Bentinho conhece Ezequiel de Souza Escobar, que se torna seu melhor amigo. Em uma visita a sua família, Bentinho leva Escobar e Capitu o conhece.
Enquanto Bentinho está no seminário, sua mãe e Capitu se aproximam, o que leva Dona Glória a se arrepender da promessa feita e enviar um escravo para se tornar padre no lugar do filho.
Bentinho se forma em direito e consegue, finalmente, se casar com Capitu. Porém, sua demora em lhe dar um herdeiro torna-se um tanto penosa.
Com o passar do tempo o casal tem um filho, para a alegria de Bentinho, a quem chamam de Ezequiel, em homenagem a Escobar. Na verdade, foi uma retribuição a homenagem que o mesmo havia feito a Capitu quando teve uma filha com Sancha, sua esposa, a quem chamou de Capitolina.
No entanto, conforme Ezequiel vai crescendo, Bento percebe que o filho tem muita semelhança com o amigo Escobar, que a esse ponto da história já é falecido.
Convencido da traição de Capitu, ele tenta tirar a própria vida e do filho, sem sucesso, e o casal resolve por fim à relação.
Após um tempo na Europa, Bentinho retorna ao país sem Capitu, que morre por lá tempos depois.
Ezequiel, o filho que julga bastardo, tem o mesmo destino trágico, morrendo de febre tifóide durante uma pesquisa arqueológica em Jerusalém.
Amargurado e com idade avançada, Bentinho termina a narrativa deixando claro que nunca se recuperou da “traição” de Capitu e que essa foi a desgraça de sua vida.
As minhas impressões são as melhores a respeito de um dos mais renomados livros de Machado de Assis.
Apesar da leitura um pouco cansativa, os detalhes enriquecem a obra e te levam a acreditar que você poderia ser quaisquer dos personagens ali expostos.
A grande questão é se houve ou não traição por parte da esposa venerada Capitu. Porém, como só vemos um lado da questão, já que a narrativa é toda feita pelo ponto de vista de Bentinho, não dá pra ter certeza, pois ele deixa nítido ao leitor que é movido pelo ciúme inflamado que sente por ela.
Em um dado momento você começa a acreditar nessa possibilidade e tentar eximir de culpa a pobre Capitu, que poderia ter agido por impulso na tentativa de dar um filho ao marido estéril e assim salvar seu casamento.
As possibilidades são inúmeras e o livro acaba sem te dizer claramente o que aconteceu entre Capitu e Escobar. (Morra com isso!!!).
Contudo, a leitura nostálgica de um Rio de Janeiro do século XIX é mágica e vale muito a pena ser degustada!



Até a próxima ;)

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Vencedora do SORTEIO Lesley Pearse!!!!

A belíssima Stella Almeida enviou a foto com os livros!!!!

EBAAAA!!!!

Divirta-se com a leitura, Stellinha... ;)




segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Resenha Orgulho e Preconceito

Autora: Jane Austen
Editora: Landmark
Páginas: 400
Versão Bilingue


Falar sobre esse livro é um tanto prazeroso, uma vez que este romance é unica e exclusivamente responsável por me fazer tomar gosto pela leitura.


"É verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro em posse de boa fortuna deve estar necessitado de esposa.”
E assim começa esse livro tão amado por todos. O romance, inicialmente intitulado como Primeiras Impressões, narra a vida dos Bennet e suas cinco filhas solteiras. Uma mãe neurótica por casar as herdeiras sem eira nem beira vive às turras com o marido encostado na Inglaterra rural do século XVIII. É nesse cenário que Elizabeth Bennet conhece Mr. Darcy, um nobre herdeiro da região.
O enlace mostra como as primeiras impressões, quando vista de forma equivocada, tem o condão de afastar as pessoas mesmo que essas tenham afeição mútua. Entre todos os percalços, a história se encaixa de maneira sublime e nos dá uma lição de vida mesmo tendo passado tantos anos após sua publicação.


Orgulho e Preconceito é um clássico e uma obra que merece ser lida e degustada por quem preza um bom livro!


Até... ;)






Resultado do Sorteio!!!

Queridosssssss, a GRANDE VENCEDORA foi a querida Stella Almeida.

PARABÉNS, flor! E obrigada por participar do blog... 

Até a próxima! ;)


(Stella, deixe endereço completo inbox, por favor)





segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Relações de Sangue - Martha Argel

Autora: Martha Argel
Editora: Giz
Páginas: 256



Martha é uma autora à frente de seu tempo. Com uma narrativa divertida, ela nos apresenta sua Maria Clara. Uma jovem que tem a vida transformada após conhecer Lucila, uma vampirinha nada convencional.


Mesclando os gêneros terror, suspense e comédia, Relações de Sangue mostra o cotidiano de um humano convivendo entre vampiros. Claro, que essa dobradinha não poderia dar certo, né? Para complicar ainda mais o meio de campo, eis que surge Daniel - o bon vivant exalando sexy-appeal - e Vampirão - que suga suas presas até a última gota de sangue.


Bom livro, bons personagens, uma ótima pedida para um final de semana.


Até a próxima.